Quem faz rodízio

Autor: 
Celso Monteiro

No Brasil, apenas a cidade de São Paulo tem instituído o rodízio de veículos. Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte, contudo, estudam a adoção da medida.

Nas capitais do Chile e do México, cidades que enfrentam sérios problemas pelo excesso de automóveis nas ruas, o rodízio já é realizado há anos. Em Santiago do Chile, por exemplo, cerca de 2% do Produto Interno Bruto (PIB) local é gasto no tratamento de doenças causadas pela má qualidade do ar.Vale lembrar que 95% da poluição atmosférica saem dos escapamentos de carros, ônibus, caminhões e motos, conforme revelou estudo feito pela Universidade de São Paulo (USP). Com relação a emissão de partículas, o percentual de “culpa” dos automotores é de 60%.

Na capital mexicana, que é reconhecida pelo Banco Mundial (BID) como uma das cidades mais poluídas do mundo, e enfrenta uma condição caótica de trânsito, o mecanismo é extremamente restritivo. Nos horários de pico, a velocidade média do trânsito não chega a 10 km/h (em São Paulo, por exemplo, a velocidade média nestes horários é 17,7 km/h).

Veja algumas medidas que lá foram tomadas:

  • Rodízio de veículos nos dias da semana e aos sábados - automóveis particulares deverão deixar de circular pelo menos 10 sábados por ano;
  • Transporte escolar obrigatório - impedindo a circulação de carros de pais para levarem seus filhos à escola;
  • Reordenação dos horários de tráfego de veículos de carga;
  • Proibição da circulação de carros com mais de 10 anos de idade.

Há, ainda, cidades na França, Itália e EUA que também adotam o rodízio, mas apenas em caráter excepcional. Na Ásia, sua implantação foi recentemente cogitada para Pequim (China), que sediará as Olimpíadas de 2008 - a cidade possui um dos índices de poluição do ar mais elevados do planeta.