A reencarnação no budismo

Autor: 
Sarah Dowdey

Quando o budismo foi criado há 2.500 anos, incorporou a crença hindu da reencarnação. Embora o budismo tenha duas grandes subdivisões e inúmeras variações nas práticas regionais, a grande maioria dos budistas acredita no samsara ou no ciclo de renascimento. O samsara é regido pela lei do karma: boas condutas levam a um bom karma enquanto que más condutas produzem um karma ruim. Os budistas acreditam que o karma da alma transmigra entre corpos e se torna um "germe de consciência" no ventre [fonte: Encyclopaedia Britannica]. Períodos de vida após a morte, algumas vezes chamados de "intermediário", pontuam o samsara, vindo depois da morte e antes do renascimento [fonte: NPR - em inglês].

Reencarnação
© iStockphoto.com/Beemore

Assim como os hindus, os budistas vêem o samsara como um estado de sofrimento ainda não muito esclarecido. Nós sofremos porque desejamos o efêmero. Somente quando atingimos um estado de passividade total e nos livramos de todos os nossos desejos podemos escapar do samsara e atingir o nirvana, ou a salvação. Muitos budistas acreditam que um indivíduo pode encerrar o ciclo da reencarnação seguindo o Nobre Caminho Óctuplo, conjunto de oito práticas do budismo. Um ser iluminado incorpora as diretrizes do Caminho óctuplo: visão correta, sabedoria correta, atenção correta, meio de vida correto, ação correta, fala correta, pensamento correto, compreensão correta.

O Buda Siddhartha Gautama ensinou o Caminho Óctuplo em seu primeiro sermão após alcançar a iluminação. Siddhartha, que nasceu em 563 a.C., próximo onde hoje fica o Nepal, teve uma extravagente e privilegiada juventude. Quando jovem ele começou a questionar seu estado espiritual em meio a tanto luxo e mudou sua forma de viver indo em busca do ascetismo, isto é, procurou se livrar dos prazeres mundanos. Quando percebeu que sua vida eremítica não o deixava mais próximo da iluminação, Siddhartha decidiu buscar o caminho do meio - um estado de existência entre o excesso e a auto-privação. Pouco tempo depois ele alcançou a iluminação.

 

Jogos da Mente

Cientistas holandeses
determinaram que a lembrança de vidas passadas pode ser apenas o
resultado de uma memória ruim. Um estudo publicado por Maarten Peters,
da Maastrich University, testou indivíduos através de um jogo da memória
chamado de "paradigma de falsa fama". Alguns indivíduos testados não tinham
memória de reencarnação; outros já eram pacientes de terapeutas que
trabalham com a reencarnação - pessoas que usam a hipnose para evocar
memórias.

Todos os indivíduos leram uma lista de nomes
desconhecidos. No dia seguinte, eles leram uma nova lista que continha
os nomes já lidos, além de outros nomes desconhecidos e nomes de pessoas
famosas. Aqueles que acreditavam lembrar de vidas passadas foram mais
propensos a pensar que os nomes das pessoas famosas foram incluídos na
primeira lista. Os cientistas chamam esse tipo de erro de memória de
“erro de monitoramento de fonte”. Os indivíduos conseguem reconhecer o
nome – uma memória – mas não conseguem identificar corretamente sua
fonte [fonte: Scientific American - em inglês].

É claro que a reencarnação não se restringe às religiões orientais. Na próxima página aprenderemos sobre o entendimento que os antigos gregos e romanos tinham sobre a reencarnação.