Carro de emergência

Autor: 
Dr. Carl Bianco, M.D.

Um carro de emergência é um armário que contém os equipamentos usados por médicos e enfermeiros quando acontece uma parada cardíaca. Esta é uma situação que exige procedimentos de socorro imediatos. Estes são alguns itens encontrados neste carro:


Foto cedida por Westlake Village Urgent Care and Occupational Health Center
O carro de emergência, em vermelho, localiza-se próximo à cama


  • desfibrilador - este é um aparelho elétrico com dois eletrodos que são colocados sobre o peito. Ele descarrega eletricidade no coração quando é indicada uma freqüência fatal. O objetivo é dar choques no coração para que ele volte ao normal. As arritmias fatais incluem fibrilação ventricular (batimentos cardíacos rápidos, descoordenados e não sincronizados) e taquicardia ventricular (batimentos cardíacos rápidos que impedem o coração de bombear adequadamente). Também pode ser usado em freqüências menos perigosas para fazer o coração voltar ao ritmo normal;


Desfibrilador
  • equipamento de intubação endotraqueal - intubação endotraqueal é o procedimento que consiste em colocar um tubo na traquéia quando a pessoa pára de respirar ou não está respirando adequadamente. O tubo permite que o equipamento de respiração artificial assuma a tarefa de respirar pelo paciente. A embalagem inclui tubos de diferentes tamanhos e um laringoscópio, uma luz especial com uma peça achatada de metal que levanta a língua para que o tubo possa ser colocado na traquéia;


Instrumentos utilizados na intubação endotraqueal
  • cateteres das veias centrais - os cateteres são tubos pequenos colocados nas grandes veias centrais próximas ao coração, para que líquidos e medicamentos possam chegar rapidamente aos órgãos importantes;
  • drogas cardíacas - durante uma parada cardíaca, algumas drogas potentes são necessárias para fazer com que o coração recomece a bater ou volte para um ritmo mais estável.

As arritmias graves mais comuns durante uma parada cardíaca são:

  • fibrilação ventricular - as contrações do ventrículo (cavidade principal do coração) são incapazes de promover o bombeamento do sangue;
  • taquicardia ventricular - contração rápida do ventrículo que produz fluxo sangüíneo insuficiente;
  • assistolia - ausência total de atividade elétrica e, portanto, de contrações cardíacas;
  • atividade elétrica sem pulso (AESP) - há atividade elétrica no coração, mas com contrações inadequadas;
  • bradicardia - ritmos variados que fazem com que o coração bata tão devagar que não bombeie sangue suficiente.

Estas são algumas das drogas utilizadas para tratar as arritmias:

  • adrenalina - utilizada na fibrilação ventricular, na taquicardia ventricular sem pulso, na assistolia, na atividade elétrica sem pulso e, às vezes, na bradicardia;
  • atropina - utilizada na assistolia, na bradicardia e, às vezes, na atividade elétrica sem pulso;
  • xilocaína - utilizada na fibrilação e na taquicardia ventriculares.

Outros equipamentos são usados no departamento de emergência, incluindo a prato de tubo peitoral, que guarda o equipamento necessário para colocar um tubo peitoral entre as costelas e o pulmão, para tornar a expandir o pulmão colapsado; e o prato de orelha, nariz e garganta, que guarda os equipamentos especiais usados geralmente para sangramentos nasais e para remover corpos estranhos da orelha, do nariz ou da garganta.