Entendendo o labirinto do pronto-socorro

Autor: 
Dr. Carl Bianco, M.D.

Quando se pensa em pronto-socorro, lembramos logo de uma ambulância cantando os pneus ao parar, uma maca correndo pelo corredor e pessoas trabalhando freneticamente para salvar a vida de alguém. Isto acontece mesmo é não é incomum, mas a maioria dos casos vistos em um departamento de emergência não são tão dramáticos. Vamos ver um exemplo para ver como funciona o fluxo normal de um pronto-socorro.

Imagine que são duas horas da manhã e, de repente, você acorda porque seu abdômem está doendo muito. Isto parece algo fora do comum, então você telefona para o seu médico. Ele diz para você ir ao departamento de emergência do hospital da sua cidade: pode ser apendicite, já que a dor está localizada no lado direito e de baixo do abdômem.

Triagem
Quando você chega ao pronto-socorro, o primeiro passo é a triagem. Este é o lugar em que as doenças dos pacientes são organizadas em ordem de importância, geralmente por uma enfermeira, em três categorias gerais. São elas:

  • risco de morte imediato
  • risco de morte urgente
  • menos urgente

Esta categorização é necessária para que algumas pessoas com doenças graves não tenham que ficar esperando por terem chegado minutos depois de alguém com um problema menos sério. A enfermeira da triagem confere os seus sinais vitais, como temperatura, pulso, freqüência respiratória e pressão arterial. Ela também faz um breve histórico da sua doença atual, dos problemas médicos anteriores, dos medicamentos e das alergias para que possa determinar a categoria certa. Aqui você descobre que está com uma febre de 38° C.

O que acontece em seguida? Você precisa se cadastrar.