Em que dia cai a Páscoa?

Autor: 
John Airey

Diferente de festas como o Natal, a Páscoa foi celebrada sem interrupções desde a época do Novo Testamento. As datas de todas as festividades móveis são calculadas em torno da data de Páscoa. De acordo com a Enciclopédia Britânica (em inglês):

    ...os cristãos ocidentais celebram a Páscoa depois da lua cheia (a lua pascal) do equinócio de inverno, em 21 de março, ou no domingo seguinte, se a lua pascal, que é calculada por um sistema de números áureos e epactas, não coincidir com a lua cheia.

O Observatório de aplicativos astronômicos da marinha norte-americana (em inglês) diz que a Páscoa é determinada pela "lua eclesiástica", como definido pelas tabelas usadas permanentemente para calcular a fase da lua. A lua cheia não coincide necessariamente com a lua cheia astronômica, o que significa, segundo os pesquisadores da marinha, que a Páscoa não é necessariamente no domingo seguinte ao da lua cheia. Poderia ser no domingo seguinte ao da lua eclesiática. Isso aconteceu em 1876.

Como se diz...?
As origens dos nomes para o feriado da Páscoa variam um pouco. "Easter" e "Ostern" derivam de Eostre. Outros nomes são derivados da palavra judia Passover, Pesach.
  • Inglês: Easter
  • Alemão: Ostern
  • Grego: Pascha
  • Espanhol: Pascua
  • Italiano: Pasqua
  • Francês: Paques
  • Português: Páscoa
  • Holandês: Pasen
  • Dinamarquês: Paaske

Esses cálculos dizem que a Páscoa pode cair entre 22 março e 25 de abril. Isso foi decretado pelo Papa Gregório XIII, em 1582, como parte do calendário gregoriano.

Durante os tempos do Novo Testamento, a igreja cristã celebrou a Páscoa ao mesmo tempo que os judeus celebravam o Pessach. O primeiro dos oito dias do Pessach é o Nissan, 15 no calendário judeu. A Páscoa dos judeus lembra a luta e libertação dos israelitas da escravidão no Egito. Na metade do segundo século, a Páscoa foi celebrada no domingo depois da Páscoa dos judeus. O Conselho de Nicéia decidiu, em 325 d.C., que todas as igrejas deveriam celebrar juntas em um domingo.

A igreja ortodoxa ocidental celebra a Páscoa um mês mais tarde, já que seu cálculo é baseado no calendário juliano, que tem, atualmente, 13 dias de atraso em relação ao calendário gregoriano. Em 1865 e 1963, as cerimônias de Páscoa das igrejas oriental e ocidental coincidiram.

Em alguns países, a Sexta-feira da Paixão (caso do Brasil) e a segunda-feira depois da Páscoa são feriados nacionais.