Como funcionam os olhos

O olho é o órgão da visão. Esta complexa estrutura funciona capturando luz e a transforma em impulsos que o cérebro interpreta como imagens.
 
Para entender a percepção visual é importante conhecer as funções de outras partes do olho, que inclui o globo ocular e todas as estruturas internas e as que estão ao redor de sua massa quase esférica. Este delicado órgão fica dentro da órbita óssea do esqueleto. Uma camada de gordura protege a órbita, as sobrancelhas, os cílios e as pálpebras, que oferecem a barreira contra elementos que podem irritar os olhos.

um dos órgãos mais complexos do corpo humano
© istockphoto.com / Seb Chandler
Olho: um dos órgãos mais complexos do corpo humano

A conjuntiva é uma fina membrana protetora que fica junto da parte interna da pálpebra na parte exposta da superfície do globo ocular. A lágrima que sai das glândulas lacrimais, na parte superior da pálpebra, umedece a conjuntiva e mantém os olhos limpos. Já a esclera é uma camada rígida, branca e externa do globo ocular. Ela cobre todo o globo ocular, exceto a área circular frontal que recebe a luz, e é coberta pela córnea transparente. A camada coróide contém vasos sanguíneos que nutrem os olhos.

A luz entra nos olhos através da córnea, cuja curvatura ajuda a focar a luz internamente. Por trás da córnea há uma estrutura pigmentada chamada íris, que circunda uma abertura conhecida como pupila. A íris muda o tamanho da pupila, dependendo da quantidade de luz presente no ambiente: se o ambiente estiver relativamente escuro, a pupila se dilata para receber mais luz e se o ambiente estiver claro, a pupila diminui de tamanho.
 
Por trás da íris há o cristalino, uma estrutura transparente que se mantém no local através de um tecido muscular elástico. O tecido pode mudar o formato do cristalino para conseguir focar os raios de luz externos para as células sensíveis que ficam na parte posterior dos olhos.

Entre a córnea e o cristalino há um espaço, uma cavidade anterior preenchida com um fluído chamado humor aquoso. Ele contém nutrientes para a córnea e o cristalino. Esse fluído também permite que raios de luz passem pela área facilmente.

A cavidade do globo ocular atrás do cristalino possui uma substância gelatinosa chamada humor vítreo. Na retina (camada de células sensíveis à luz que ficam na parte posterior do globo ocular) ficam as células especializadas - chamadas bastonete e cones - que convertem a luz focada a partir da córnea e do cristalino em forma de impulsos elétricos. Assim, as extremidades dos nervos sensitivos transmitem esses impulsos ao cérebro, através do nervo óptico, que se estende a partir do bastonete do globo ocular até o cérebro.

Artigos relacionados