Como funciona o princípio da navalha de Occam

Autor: 
Joshua Clark
It’s elementary. A explicação mais simples é, geralmente, a correta. Certo?
Lambert/Hulton Archive/Getty Images
É elementar. A explicação
mais simples geralmente é a correta.

É provavel que você já tenha ouvido isso antes: a explicação mais simples geralmente é a certa. Os detetives usam esse princípio para deduzir quem é o suspeito mais provável em um assassinato - e você sabe, o mordomo sempre é o culpado. Os médicos o usam para determinar a doença por trás de uma série de sintomas.

Essa linha de pensamento é chamada navalha de Occam. Ela é usada de várias formas ao redor do mundo (em inglês), como um meio de retalhar um problema ou uma situação e eliminar elementos desnecessários. O que chamamos de navalha, porém, é um pouco diferente do que seu autor escreveu a princípio. Existem duas partes que são consideradas os fundamentos da navalha de Occam e elas foram escritas originalmente em latim (em inglês):

  • O Princípio da Pluralidade - A pluralidade não deve ser determinada sem necessidade
  • O Princípio da Parcimônia - Não há por que fazer com mais o que pode ser feito com menos

Juntas, elas representam os fundamentos da investigação do universo pela humanidade, e a maneira como vemos nosso ambiente está baseada amplamente na navalha de Occam. É impossível definir em que tipo de mundo viveríamos hoje sem a navalha de Occam. Teríamos a Internet? E as vacinas (em inglês)?

Pense nos sistemas simples da natureza, como os vírus e as plantas, e na habilidade que eles possuem de realizar tarefas complexas, como causar uma infecção e fazer a fotossíntese (em inglês). Valorizamos esses modelos simples. E quando se trata de sistemas produzidos pelo ser humano, costumamos basear as estruturas em coisas que já sabemos como funcionam - a explicação mais simples para nós -, como uma memória de computador baseada em nossos próprios processos cerebrais. Tudo isso aponta para os princípios da pluralidade e da parcimônia.

Uma das principais coisas que a navalha de Occam revela, no entanto, é a subjetividade com a qual vemos o universo. É claro que o céu é azul, sabemos disso só de olhar para ele, mas de que tom de azul ele é exatamente? Qualquer um que já tenha se envolvido em uma discussão para ver se uma meia escura é preta ou azul-marinho consegue compreender a influência de nossa visão de mundo e como ela afeta nossas decisões.

Neste artigo, vamos examinar a capacidade de distorção da navalha de Occam, assim como quem a distorce, a valoriza e a evita. Primeiro, porém, quem desenvolveu essa idéia, que é simples mas ao mesmo tempo complexa? Na próxima seção, vamos aprender sobre o autor da navalha de Occam.

Linguagem de programação Occam
A navalha de Occam
também é usada na linguagem de programação. Como escrever uma linguagem para
computadores é uma tarefa gigantesca, os programadores precisam usar o caminho mais simples
para criar um comando executável em um programa. Surge a Occam, uma linguagem
de programação desenvolvida em 1983 por David May. May criou a linguagem de computador como um
meio de manter o processo de programação simples. E quem melhor para batizar a linguagem do que
o homem que criou o princípio da parcimônia, William de Occam?
[fonte: Hyde]

­