Como funciona a malhação do Judas

Autor: 
Sílvio Anaz

Todo ano, na rua dos Lavapés, no bairro do Cambuci, um dos redutos da imigração italiana em São Paulo, centenas de moradores se reúnem para destroçar simbolicamente, sem dó nem piedade, o pior malfeitor do ano. O alvo retratado em um boneco de pano recheado de serragem, e pendurado como se tivesse sido enforcado em algum poste da rua, leva pauladas, chutes e, no fim, é queimado por uma multidão exultante. Há um bom tempo, os políticos brasileiros têm sido a figura preferida para ser retratada no boneco como alvo da fúria da população. E eles têm dado inúmeros motivos para esse grau de insatisfação popular, que é extravasada, como que num recado direto a eles, no chamado sábado de Aleluia, que na tradição católica acontece entre a Sexta-Feira Santa e o domingo de Páscoa.

Judas
Foto: José Luis da Conceição/AE
Populares destroçam o Judas, retratado como um político, com as mãos

Esse ritual chamado de malhação do Judas sobrevive não só na tradição paulistana, mas também em vários outros locais do Brasil. A brincadeira chegou ao país junto com a colonização portuguesa. Ela representa o julgamento popular contra Judas Iscariotes, um dos apóstolos que teriam acompanhado Jesus Cristo. Judas teria traído Jesus e o entregue ao Sinédrio, conselho supremo e representação dos judeus perante os romanos, em troca de dinheiro. Por conta desse episódio relatado no Novo Testamento, as populações seguidoras da fé católica adotaram o ritual de na semana da Paixão de Cristo fazer simbolicamente o julgamento, a condenação e a execução de Judas, o traidor. Na tradição popular, antes da “execução” dele, é lido o "testamento" de Judas, que escrito em versos é colocado no bolso do boneco e traz sátiras às pessoas e a fatos locais.

Assim como várias outras tradições do catolicismo, a malhação do Judas tem sua inspiração, segundo alguns historiadores, em antigos rituais pagãos. Desde séculos antes de Cristo, celebrações no início do cultivo e ao final das colheitas faziam parte de cultos agrários que buscavam garantir bons resultados no campo. Um boneco feito de palha representaria o “deus da plantação” e o fogo seria o sol. Ao queimar o boneco, acreditava-se estar submetendo o “deus da plantação” ao poder do sol e garantindo com isso a luz e o calor necessários para os cultivos.

Outras versões, como a do professor especialista em folclore brasileiro Ático Vilas-Boas da Mota, em “Queimação de Judas: catarismo, inquisição e Judas no folclore brasileiro”, relacionam a tradição à Inquisição e à perseguição aos judeus na Idade Média. Segundo Mota, os acusados de heresias que conseguiam fugir, escapando do processo inquisitório comandado pela Igreja Católica, eram substituídos por bonecos queimados em praça pública. Para ele, essa consagração do ritual da queima do Judas seria o resultado do poder da Igreja Católica no período inquisitorial para incutir na população ódios e preconceitos, inclusive contra os judeus que representariam todo o mal.