Como funciona o Dia de Ação de Graças

Autor: 
Allison Klein


O Dia de Ação de Graças se destaca na época de feriados porque pode ser comemorado por praticamente todo mundo. Ele não está ligado a uma religião específica e as pessoas podem celebrá-lo da maneira como quiserem. As únicas tradições essenciais são fazer uma refeição com amigos ou com a família e agradecer pelo que se tem. No mundo dos feriados, o Dia de Ação de Graças é o mais simples e puro possível.

O feriado também honra a história norte-americana, é claro. Em inúmeras peças escolares, crianças norte-americanas contaram a história do primeiro Dia de Ação de Graças, quando os peregrinos e os nativos norte-americanos celebraram a colheita de outono em cooperação e aceitação.

Você já se perguntou de onde realmente vieram os detalhes dessa história e do Dia de Ação de Graças? Neste artigo, conheceremos as origens de muitas coisas que associamos a esse dia.


Em geral, pensamos que o Dia de Ação de Graças é um feriado exclusivamente dos Estados Unidos, mas na verdade existe uma grande tradição de celebrações na época da colheita e de Ação de Graças.

Todo outono, os antigos gregos faziam uma celebração de três dias para reverenciar Deméter, a deusa do trigo e dos cereais. Os romanos faziam uma celebração parecida, na qual reverenciavam Ceres, a deusa do trigo (a palavra "cereal" é derivada de Ceres). A celebração dos romanos tinha música, desfiles, jogos, esportes e um banquete de Ação de Graças. Era muito parecida com o Dia de Ação de Graças atual.

Uma curiosidade: um dos símbolos mais importantes do Dia de Ação de Graças, a cornucópia, na verdade vem da época dos antigos gregos e romanos. O termo (geralmente descrevendo um vaso em forma de chifre com frutas, flores e outras guloseimas) vem do latim cornu copiae, o que literalmente significa "corno da abundância". Na mitologia grega, a cornucópia é um chifre de cabra que foi enfeitiçado por Zeus para produzir uma quantidade infinita do que seu dono desejar.

Os antigos chineses faziam uma festa de colheita chamada Chung Ch'ui para celebrar a lua cheia. As famílias se reuniam para fazer um banquete, que incluía bolos redondos e amarelos chamados "bolos de lua". Na cultura judaica, as famílias também realizavam uma festa de colheita chamada Sukkoth. A Sukkoth vem sendo celebrada há 3 mil anos, com a construção de cabanas com galhos, que são chamadas de succots. Por oito dias, as famílias judaicas fazem suas refeições nessas cabanas, sob o céu noturno. Os antigos egípcios participavam de uma festa de colheita que reverenciava Min, o deus da vegetação e da fertilidade. Desfiles, música e esportes faziam parte dessas festividades.

Nas Ilhas Britânicas, a maior precursora do Dia de Ação de Graças foi uma festa de colheita chamada Lammas Day (Dia de Lammas). O nome é uma mistura das palavras loaf (pão) e mass (massa) no inglês antigo. No Lammas Day, todas as pessoas vão até a igreja com um pedaço de pão feito com o trigo da primeira colheita. A igreja abençoa o pão para agradecer pela colheita daquele ano.

O Dia de Ação de Graças também está relacionado à prática dos puritanos ingleses de escolher determinados dias para agradecer. Essas cerimônias extremamente religiosas acontecem, em geral, após épocas de grande dificuldade: os puritanos louvavam a Deus e agradeciam a Ele por tê-los libertado do sofrimento. Na prática, o Dia de Ação de Graças norte-americano não tem muita coisa em comum com essas tradições religiosas, mas a intenção é muito parecida. E, como veremos, o feriado norte-americano realmente começou com os puritanos.


Foto cedida Pilgrim Hall Museum
"The Landing of the Pilgrims", um quadro de Henry A. Bacon

O Dia de Ação de Graças atual tem suas principais origens na história dos Estados Unidos. Em 1609, um grupo de puritanos que estava fugindo da perseguição religiosa na Inglaterra foi viver na Holanda. Esses puritanos moraram na Holanda por alguns anos até que um grupo de investidores ingleses, os Mercadores Aventureiros, financiou uma viagem para o Novo Mundo.

No dia 6 de setembro de 1620, eles içaram as velas em um navio chamado Mayflower. Cento e dez puritanos, que agora são chamados de peregrinos, deixaram a Inglaterra e chegaram ao Novo Mundo depois de 65 dias. Eles se acomodaram em uma cidade chamada Plymouth, que ficava onde hoje é Massachusetts. O primeiro inverno dos peregrinos foi tão intenso que menos de cinqüenta pessoas do grupo conseguiram sobreviver.

Mito dos peregrinos
Quando pensamos em peregrinos, geralmente imaginamos que eles usavam apenas roupas pretas e brancas e que tinham fivelas em seus chapéus, roupas e sapatos. Na verdade, as fivelas só viraram moda depois do século XVII; normalmente, as pessoas só usavam roupas pretas e brancas aos domingos. As mulheres geralmente usavam roupas nas cores vermelha, verde, marrom, violeta, azul ou cinza, e os homens usavam branco, bege, preto, verde e marrom.

No dia 16 de março de 1621, um índio Abnaki chamado Samoset entrou no povoamento de Plymouth. Ele saudou os peregrinos em inglês e no dia seguinte voltou com um outro nativo norte-americano chamado Squanto, que falava inglês bem. Com a ajuda de Squanto, os peregrinos conseguiram sobreviver no Novo Mundo. Squanto ensinou a eles como extrair seiva das árvores, como evitar plantas que eram venenosas e como plantar milho e outros alimentos.

A colheita de outubro foi muito bem-sucedida, em grande parte graças à ajuda dos nativos norte-americanos. Os peregrinos tiveram comida suficiente para o inverno e tinham aprendido a sobreviver no Novo Mundo. O governador dos peregrinos, William Bradford, decidiu realizar um banquete de celebração e convidou os vizinhos nativos norte-americanos. Os nativos norte-americanos também trouxeram comida, e a celebração durou três dias. Os historiadores acreditam que essa celebração tenha acontecido em algum dia de outubro.


Pilgrim Hall Museum
"The First Thanksgiving at Plymouth", uma pintura a óleo de Jennie A. Brownscombe
/>

Muitos consideram o primeiro Dia de Ação de Graças como um exemplo de que pode haver grande respeito e cooperação entre duas culturas diferentes. Outros, porém, o consideram um símbolo da perseguição dos nativos norte-americanos pelos colonizadores. Infelizmente, o espírito amigável do primeiro Dia de Ação de Graças foi uma pequena exceção em uma longa história de matança entre as tribos nativas e os colonizadores europeus. Hoje em dia, essa parte da história da nação influencia muitos norte-americanos.

Em 1970, alguns nativos norte-americanos começaram a realizar o Day of Mourning (Dia de Luto) no Dia de Ação de Graças, para lembrar a violência e a discriminação sofridas por seus ancestrais. O Dia de Luto é celebrado por um grupo de pessoas no topo da "Coles Hill", que dá vista para Plymouth Rock.

Dia de Ação de Graças no espaço
A primeira refeição feita na Lua por Neil Armstrong e Buzz Aldrin tinha peru e outros pratos do Dia de Ação de Graças, apesar de ter acontecido no meio do verão.

Não se sabe se os próprios peregrinos chamaram aquele primeiro banquete de celebração de Ação de Graças, mas eles certamente estavam celebrando a abundância de comida e a paz com seus vizinhos nativos norte-americanos. Dois anos depois, os peregrinos estabeleceram mais claramente a tradição do Dia de Ação de Graças. Depois de um longo período de seca, os peregrinos estavam realizando um dia de jejum e de preces quando começou a chover. Para agradecer o fim da seca, os peregrinos celebraram um Dia de Ação de Graças de verdade.

O costume de celebrar a boa sorte com um Dia de Ação de Graças rapidamente se espalhou pela Nova Inglaterra. No início dos Estados Unidos, os novos líderes da nação começaram a proclamar pelo país inteiro as celebrações do Dia de Ação de Graças. Na Revolução Americana, por exemplo, o Congresso Continental exigiu um Dia de Ação de Graças para celebrar a vitória dos Estados Unidos na Batalha de Saratoga. Em 1789, o presidente George Washington exigiu um Dia de Ação de Graças em reconhecimento à homologação da Constituição dos EUA.

Em 1817, o estado de Nova York oficialmente adotou um Dia de Ação de Graças anual e alguns outros estados seguiram o exemplo. A maioria celebrava o dia em novembro e alguns poucos, em dezembro. Em meados de 1800, uma editora de revistas chamada Sarah Josepha Hale fez uma campanha para que o Dia de Ação de Graças se tornasse um feriado nacional. Em 1863, o presidente Abraham Lincoln fez exatamente isso: proclamou que o Dia de Ação de Graças seria no último dia de novembro.

Depois da Guerra Civil, o Congresso fez do Dia de Ação de Graças um feriado nacional. Inicialmente, muitos moradores do sul dos EUA consideraram que a parte norte estava tentando induzir o país inteiro a seguir suas tradições particulares. Mas, no fim, todos aceitaram o feriado.

Em 1939, o presidente Franklin Roosevelt mudou o Dia de Ação de Graças para uma semana depois da data anterior para satisfazer os comerciantes, que queriam uma época de compras de Natal mais longa. Muitas pessoas recusaram a mudança e continuaram a comemorar o Dia de Ação de Graças na última quinta-feira de Novembro, como antes. Alguns adversários até mesmo chamaram o novo Dia de Ação de Graças do Roosevelt de "Franksgiving". Em 1941, o presidente Roosevelt assinou um projeto de lei para que o Dia de Ação de Graças fosse oficialmente comemorado na quarta quinta-feira de novembro. Isso significa que o Dia de Ação de Graças cai na última quinta-feira do mês em alguns anos e na penúltima em outros anos.

Os símbolos mais significativos dessa comemoração são os alimentos que os americanos consomem no jantar de Ação de Graças. De maneira geral, esses alimentos celebram o país e o cultivo tradicional. A maioria dos pratos tradicionais do Dia de Ação de Graças é composta por alimentos muito simples da parte norte dos EUA.


Detalhe de uma reprodução fotográfica do quadro de meados dos século XX de J.L.G. Ferris, "First Thanksgiving"

O maior símbolo do Dia de Ação de Graças é o peru. Provavelmente, essa ligação vem desde o início da comemoração de Ação de Graças. Quando aconteceu a primeira comemoração, o governador William Bradford comentou sobre "a grande abundância de perus selvagens". O peru é tão importante para o feriado do Dia de Ação de Graças que mais de 90% dos americanos comem peru nesse dia.


Todo ano, o presidente dos EUA captura um peru na noite anterior ao Dia de Ação de Graças. Essa tradição começou há 50 anos, com Harry Truman, e continua até hoje. O peru capturado passa, então, a viver no Kidwell Farm, um zoológico em Virgínia.

Depois do peru, o prato mais importante na mesa é o milho. Provavelmente os peregrinos não teriam sobrevivido se os nativos norte-americanos não tivessem ensinado a eles sobre os alimentos nativos. Por isso, o milho é o símbolo da sobrevivência dos colonizadores, assim como da colheita e do outono.

As amoras provavelmente estavam na primeira mesa de Ação de Graças. Os índios norte-americanos ensinaram os peregrinos a fazer um molho de amora chamado "ibimi", que significa fruta amarga. Quando os colonizadores viram a fruta, eles mudaram seu nome para "crane-berry", porque as suas flores se pareciam com um pássaro de pescoço comprido chamado "crane". As amoras ainda são cultivadas na Nova Inglaterra.

Estatísticas do Dia de Ação de Graças
  • Os norte-americanos consomem cerca de 8,4 kg de peru a cada ano.
  • Três cidades dos EUA receberam seus nomes em homenagem ao peru: Turkey, TX, Turkey Creek, LA, e Turkey, NC.
  • Oito cidades nos EUA receberam seus nomes em homenagem à amora.
  • Vinte cidades dos EUA chamam Plymouth.

*Fonte: Censo Bureau dos EUA

Além da comida, as maiores tradições do Dia de Ação de Graças são o futebol americano e os desfiles. Em antigas festas de colheita, as pessoas geralmente celebravam com jogos e esportes, então, pode-se dizer que a tradição do futebol americano tem raízes muito profundas. O jogo de futebol americano tradicional do Dia de Ação de Graças geralmente era entre o Detroit Lions e o Green Bay Packers, mas como o esporte se popularizou, agora existem mais jogos nesse dia. A tradição dos desfiles do Dia de Ação de Graças vem desde o início do século XX, quando os moradores das cidades começaram a considerar esse dia como o início das compras de Natal. Para atrair consumidores, algumas lojas  patrocinavam desfiles bem elaborados.

Finalmente, como o Dia de Ação de Graças é comemorado na quarta quinta-feira de novembro e cai em uma data diferente a cada ano, o presidente dos EUA emite uma proclamação anual para estabelecer a data da celebração. Em 1863, o presidente Lincoln começou essa tradição e desde então cada presidente emite uma proclamação do Dia de Ação de Graças.

Fatos relacionados ao peru
  • Houve um tempo em que o peru e a águia eram os símbolos nacionais dos EUA.
  • De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, um sexto dos 300 milhões de perus vendidos a cada ano é para o Dia de Ação de Graças.
  • Um peru com menos de 16 semanas de idade é chamado de fryer (próprio para fritar). Um roaster (próprio para assar) normalmente tem entre cinco e sete meses de idade.
  • Os perus têm uma ótima audição, mas não possuem orelhas externas.
  • A idade é o fator mais importante em relação ao gosto do peru. São preferíveis machos mais velhos do que mais novos. No caso de fêmeas, é preferível o contrário.
  • Os perus são a única criação de aves nativas no hemisfério ocidental.

*Fonte: Scripps Howard News Service e FactMonster

Para mais informações sobre o Dia de Ação de Graças e outros feriados, confira os links na próxima página.