Como funciona a Bolsa de Valores Sociais e Ambientais (BVS&A)

Autor: 
Celso Monteiro


A Bolsa de Valores Sociais e Ambientais (BVS&A) é uma iniciativa da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) que visa arrecadar recursos financeiros para a execução de projetos sociais e ambientais de organizações não-governamentais (ONG’s) brasileiras.

É curioso pensar que um sistema de bolsa, onde tradicionalmente quem manda é o retorno financeiro, possa ser utilizado por empresas e filantropos para financiar projetos em que o retorno assume diversas formas, menos a financeira.

O que parece contraditório, no entanto, é uma excelente alternativa para investir em projetos desta natureza com transparência - algo elementar no mercado de capitais que, após uma onda de fraudes contábeis, vedou-se em regras e procedimentos de governança corporativa.

De sua criação, em junho de 2003, até o final de 2007, a BVS&A havia concluído 69 captações, totalizando R$ 8,7 milhões em doações – aproximadamente R$ 126 mil por projeto e R$ 1,93 milhão por ano.

A introdução do sistema de corretagem e ações de filantropia e responsabilidade social empresarial (RSE) é positiva. De um lado o investidor, interessado em aplicar recursos em projetos que contribuam efetivamente para o desenvolvimento sustentável. Do outro as ONG’s que, para receber recursos, se comprometem com regras de prestação de contas e fiscalização. E, no meio de campo, um sistema que relaciona as duas pontas da cadeia, oferecendo benefícios mútuos.

Leia, nas próximas páginas, quais exigências para que um projeto seja selecionado para compor o portifólio da BVS&A. E saiba como um investidor pode montar uma carteira de investimentos sócio-ambientais.