Tipos de morte

Autor: 
Robert Valdes
Com água quente
De acordo com o National Safety Council (Conselho Nacional de Segurança Americano), as suas chances de morrer em conseqüência de contato com água quente de torneira são em torno de 1 em 64.788.*

*Estatísticas compiladas de um estudo feito em 2001. As probabilidades se referem apenas a pessoas vivendo nos Estados Unidos.

Nas investigações da causa mortis, as autópsias são feitas geralmente por um patologista forense. O patologista estuda os efeitos de doenças, de tratamentos médicos e de lesões no corpo humano. Um patologista forense se especializa no uso desses estudos para estabelecer uma causa que seja legalmente admissível no tribunal.

Segundo as definições legais, há cinco categorias de classificação de mortes:

  • natural
  • acidental
  • homicídio
  • suicídio
  • não determinada


Imagem cedida por Sacramento County Coroner's Office
Os patologistas do Sacramento County Coroner's Office (Gabinete de Perícia Criminal do Condado de Sacramento) se preparam para examinar uma vítima de homicídio

Viajar de avião ou de carro?
De acordo com o National Safety Council (Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos) as chances de você morrer em um acidente de avião são em torno de 1 em 4.023, enquanto as chances de morrer em um acidente de carro são cerca de 1 em 247.*

*Estatísticas compiladas de um estudo feito em 2001. As probabilidades se referem apenas a pessoas vivendo nos Estados Unidos.

Após um exame cuidadoso de todas as evidências, o patologista forense, que pode atuar como médico legista ou perito criminal (mais à frente explicaremos a diferença) determinará a causa mortis como uma dessas cinco maneiras.

Por exemplo, se a autópsia revela um processo de doença, como leucemia ou câncer, a morte será considerada natural.

As respostas nem sempre são tão claras. O patologista precisa considerar todas as informações. Pode ser difícil explicar um traumatismo craniano grave, sem sinais de agressão, que resulte em morte. Quando aquela evidência é somada ao relato policial, afirmando que o corpo foi encontrado perto de uma ladeira coberta de gelo, a causa mortis é um acidente.

É fácil dizer que um ferimento por arma de fogo é um caso de homicídio. No entanto, a autópsia pode revelar que os padrões do ferimento, do ângulo de entrada da bala e do resíduo de pólvora indicam que a arma estava nas mãos da vítima quando foi disparada. Os ferimentos foram auto-infligidos e são considerados suicídio.

Dr Kiesel deu um exemplo interessante das possibilidades singulares quando se determina a causa de uma morte.

    "Digamos que há 30 anos alguém recebeu um tiro na cabeça e desenvolveu epilepsia (convulsões). Isso foi 30 anos antes e a pessoa morreu agora devido a esse distúrbio. Bem, ele foi causado pelo ferimento com arma de fogo, o que não é uma causa natural. Esse caso poderia realmente ser classificado como homicídio, pois não há limite de tempo para esse trauma. Se você quiser, pode levar o caso para o tribunal e processar alguém, pois não há limite enquanto se está vivo".

Na próxima seção, veremos a diferença entre um perito criminal e um médico legista.