A música jovem nos anos 80

Autor: 
Sílvio Anaz

A herança do punk, uma música eletrônica emergente e a ascensão comercial da canção pop foram os ingredientes que levaram a uma diversidade de estilos inédita na história da música jovem. No rock, a fase pós-punk trouxe a modernidade da new wave, um dançante rock eletrônico e novas variações do heavy metal, que iam do melódico aos rápidos riffs de guitarras do trash metal.

Madonna
Reprodução
Madonna virou um dos fenômenos da cultura pop
nos anos 80 com sucessos como "Like a Virgin" e "Material Girl"

No estilo pop, uma versão mais adocicada e suave do rock, Michael Jackson e Madonna reinaram. Seus sucessos traziam a influência da black music, da nascente cultura hip hop, ecos da disco music do final dos anos 70 e uma pitada de rock também. Aliás, a aproximação entre pop e rock ficou evidente em vários estilos de sucesso nos anos 80. A new wave, apesar de ser uma descendente direta do movimento punk, mostrou-se uma versão mais palatável comercialmente. Bandas como Talking Heads, B-52’s, Blondie, The Police e Devo misturaram elementos essenciais do punk com influências de estilos mais sofisticados e dançantes, como reggae, disco music e música eletrônica. Além da new wave, as influências da música eletrônica alcançaram grupos que fizeram um rock mais dançante, como as canções românticas do Duran Duran e Culture Club ou o pop-rock eletrônico de Soft Cell, Depeche Mode e New Order.

Pet Shop Boys
Reprodução
O pop eletrônico do Pet Shop Boys
foi um dos gêneros de sucesso dos anos 80

Mesmo gêneros mais radicais como o hard rock e o heavy metal tiveram uma fase mais pop nos anos 80. Com um som mais “suave”, grupos como Bon Jovi, Van Halen e Poison emplacaram uma mistura de rocks e baladas sentimentais calcados em um visual influenciado pelo glam rock dos anos 70. Distantes da influência pop, outras bandas, como Anthrax e Metallica, radicalizaram para uma sonoridade mais acelerada e pesada.

RPM
Reprodução
O pop-rock brasileiro teve
fenômenos de vendagem
como o grupo RPM

No Brasil, a renovação da música jovem ocupou o espaço da MPB e dos herdeiros da Tropicália, gêneros que há tempos não faziam canções que expressassem a realidade e os sentimentos de boa parte da juventude. Novos grupos inspirados pelas estéticas do pop-rock que faziam sucesso lá fora surgiram em São Paulo, Rio, Brasília, Porto Alegre e Salvador. O clima de redemocratização ajudou nesse processo. Com mais liberdade de expressão e uma atmosfera de renovação cultural, nasceram bandas como Legião Urbana, Titãs, Os Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, Capital Inicial e Ira!, que revelaram novos e talentosos compositores do pop-rock brasileiro como Cazuza, Renato Russo e Arnaldo Antunes.

O sucesso da música jovem dos anos 80 sobreviveu na nostalgia dos adultos que curtiram aquela época ou na curiosidade dos jovens que não a vivenciaram. Mas, o principal mérito daquelas canções, comprovada pelas regravações de músicas e redescoberta de artistas dos anos 80, é que tanto o pop-rock nacional como o internacional produziram um repertório de canções que continuaram a se identificar com o sentimento das gerações que vieram a seguir.

 

U2
Reprodução
U2: uma das bandas que surge nos anos 80 e
manteve-se nas paradas de sucesso nas décadas seguintes

  

Sucesso garantido

São
várias as vertentes do fenômeno nostálgico pela década de 80. Há o
saudosismo visto em festas promovidas por danceterias que reservam
determinadas noites para tocar os hits da época. Tem uma produção
cultural inovadora carregada de nítidas influências da estética
oitentista. Grupos como Franz Ferdinand, Interpol e Bloc Party,revelam
sonoridades influenciadas por Talking Heads, Joy Division e The Cure.
Mas, há também uma vertente liderada por grandes gravadoras e estúdios
de cinema que procura apostar naquilo que já fez sucesso e que,
provavelmente, trará lucro certo. Daí o relançamento ou o ressuscitar
de bandas que estouraram nos anos 80, mas estavam no ostracismo ou
tinham acabado, e a filmagem de títulos de séries de televisão famosas
na época.